Junte-se a nós

Venha conviver em "Viver Livremente"

 
Powered by br.groups.yahoo.com


Este grupo se destina ao livre convívio, sem barreiras de qualquer espécie, tendo apenas como base o respeito mutuo.  Aos que aceitarem este "desafio" desejo que se divirtam.

TODOS SÃO BEM-VINDOS

Quarta-feira, 20 de Setembro de 2006

Crime ou festa?...

TOURADAS: CRIME DE ESTADO

Carta aberta enviada em castelhano para vários jornais e revistas da Espanha.
Sou brasileiro e recentemente assisti, através de um canal de TV a cabo, o desenrolar de uma legítima tourada espanhola.  A idéia que eu tinha desse tipo de evento era a de um circo, montado em condições bastante desfavoráveis ao touro, com o objetivo e destacar a coragem do homem frente ao animal.
 Mas eu estava errado. A tourada é mais do que um circo. É um espetáculo medieval de horrores, onde se enaltece a covardia e brutalidade humanas, para satisfazer os instintos sanguinários de uma espécie de gente torpe, embrutecida e degenerada, que se tem na conta de civilizada.

O primeiro choque veio com a expressão estampada nos rostos dos espectadores, pouco antes do início da "luta". Felizes, rindo à toa, como se o que estavam prestes a ver fosse um filme ou uma peça de teatro. Podia-se apostar que não se comportariam de forma diferente se lhes fosse dado apreciar cristãos sendo devorados por leões. Ririam e aplaudiriam com o mesmo entusiasmo, estremeceriam sob o mesmo êxtase macabro, usufruiriam o mesmo prazer mórbido em contemplar o sofrimento alheio.
 O segundo choque foi múltiplo. Veio na forma de sobressaltos a cada banderilla que era cravada no dorso do animal. Eu simplesmente não podia acreditar no que estava presenciando. Enquanto o "matador", com sua reluzente fantasia, fazia rodopios de despiste sob olés encorajadores, o destemido banderillero vinha por detrás e fincava seus arpões no touro. Vivas e palmas contagiantes a cada vez que isso acontecia...
A emissora de TV ainda nos poupou do último choque: a morte cruel do animal. Ouvia-se apenas a voz do narrador informando como este, exausto e ferido, era sacrificado pelo toureiro num gesto de triunfo.
A câmera focalizou então mais detidamente as arquibancadas. Todos os espectadores, de pé, ovacionavam freneticamente o herói do dia. Uma vez mais fora demonstrada, de forma cabal e inquestionável, a superioridade do bicho homem.
Essas, em largos traços, as cenas do crime monstruoso que me foi dado testemunhar a milhares de quilômetros de distância.
E quando acessei alguns sites espanhóis sobre touradas, para me convencer da veracidade daquele pesadelo, deparei com fotos cujo horror mal pude assimilar. Vi touros torturados, massacrados, alguns correndo com os chifres pegando fogo, tentando inutilmente escapar dos seus algozes.
Ah, Espanha! Como é doloroso teu legado a este mundo! Os nomes Cortés e Pizarro ainda causam arrepios na América Latina. Cada nova geração de europeus ainda estremece ao saber das atrocidades da Inquisição. E os povos olham agora novamente horrorizados para ti, fomentadora da crueldade contra os animais!   Certamente muitos outros crimes contra os animais são praticados em todo o mundo, mas não com o beneplácito do Estado e o incentivo da população. Tu, Espanha, és uma triste exceção.

Roberto C. P. Júnior

Viver Livremente editou às 14:21
link do post | comentar | favorito
|

A natureza da tolerância no Islão

Os actos de violência que os muçulmanos têm cometido na Europa e nos Estados Unidos, são geralmente atribuídos a uma minoria "fundamentalista", mas na verdade todo o Islão se fundamenta em princípios de intolerância e beligerância, especialmente contra o mundo Cristão ocidental. Conheça alguns pormenores bem esclarecedores...

Roberto de Mattei

Nas terras conquistadas pelo Islão, a opção deixada aos vencidos é a conversão ou a morte. Para os adeptos da religião dos "Livros Santos", cristãos e hebreus, mas também sabeítas e zoroastristas, definidos como "gente do Livro" (ahl el-Kitab) ou "gente do Pacto" (ahl el-dhimma), está previsto um estatuto privilegiado desde que aceitem submeter-se ao Islão. Tal estatuto jurídico de inferioridade, chamado dhimma, é simbolizado pelo pagamento de uma taxa pessoal que indica o reconhecimento público da subordinação ao Islão.

O pacto de Omar, primeiro sucessor do profeta, introduziu o distintivo para os protegidos: castanho para os madeístas, azul para os cristãos, amarelo para os hebreus e, confinando os dhimmos em bairros especiais, antecipa assim o aparecimento da prática dos guetos.

Os dhimmos, desde que aceitem submeter-se ao Islão, são integrados na comunidade islâmica, mas na condição de uma pesada sujeição jurídica. São excluídos dos cargos públicos e obrigados a cumprir os imperativos sociais da charia; o proselitismo religioso é punido com a pena de morte, mas os dhimmos devem aceitar o proselitismo dos muçulmanos, mesmo nas suas igrejas ou sinagogas. Por outro lado, os dhimmos não podem construir edifícios mais altos do que os dos muçulmanos, devem proceder aos funerais dos seus mortos em segredo, sem prantos nem lamentos; é-lhes vedado tocar sinos, expor qualquer objecto de culto e proclamar, diante de um muçulmano, as crenças cristãs. Um muçulmano pode casar-se com uma mulher dhimma, mas um dhimmo não pode casar-se com uma muçulmana; a criança nascida de um casamento misto é sempre muçulmana. A sanção que pune os muçulmanos culpados de delitos é atenuada se a vítima for um dhimmo. Os não-muçulmanos nunca podem ser testemunhas contra muçulmanos, sendo o seu juramento inaceitável. Tal rejeição funda-se, segundo os hadith, sobre a natureza perversa e mentirosa dos "infiéis" que insistem deliberadamente em negar a superioridade do Islão. Pela mesma razão, um muçulmano, mesmo que seja culpado, não pode ser condenado à morte, se for acusado por um infiel. Pelo contrário, aconteceu diversas vezes que houve dhimmos condenados à morte no lugar de muçulmanos culpados.

A rejeição das testemunhas dhimmas é particularmente grave quando elas, caso não raro, são acusadas de ter "blasfemado" contra Maomé, delito punido com a pena de morte. Os dhimmos, incapacitados de refutar em juízo as acusações dos muçulmanos, encontram-se, muitas vezes constrangidos a aceitar o Islão, para conseguirem salvar a vida.

O pagamento do tributo a que estão sujeitos os dhimmos, chamado kharadj, é justificado pelo princípio segundo o qual a terra subtraída pelo Islão aos "infiéis" é considerada como pertencente, por direito, à comunidade muçulmana. Por força deste princípio, qualquer proprietário é reduzido à condição de um tributário que detém a sua terra na qualidade de mero usufrutuário por concessão da umma. A taxa vem carregada de um simbolismo sagrado e bélico: é o direito inalienável atribuído por Alá aos vencedores sobre o solo inimigo. Além da kharadj, os dhimmos são obrigados a pagar outro imposto, a djizya, que lhes é imposta no decurso de uma cerimónia humilhante: enquanto paga, o dhimmo é golpeado na cabeça ou na nuca.

É esta a natureza da tolerância no Islão.

----------------------------------------------------

 

Fonte: Roberto de Mattei, "Guerra Justa, Guerra Santa - Ensaio sobre as Cruzadas, a Jihad islâmica e a tolerância moderna ", Livraria Civilização Editora, Porto, 2002, Capítulo II, págs. 65-68. Transcrição autorizada pelo Autor.
Roberto de Mattei é Professor Catedrático de História Moderna na Universidade de Cassino, Itália.
Viver Livremente editou às 13:06
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Maio 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
28
29
30
31


Pesquisar no blog

 

Nossos Grupos


Grupo Liberdade Cristã


Grupo Viver Livremente


Olivença é Portuguesa (MSN)

Nossos Sites


Miguel & Sylvia


Homepage de Miguel Roque


Alentejano de alma e coração


Liberdade Cristã

Nossos Blogues


Filhos & Netos


Sylvinha em Portugal


Sub-Blog do tapete


Sonho Alentejano


Viver Livremente


EU acredito em Portugal


Independência em perigo


Portugal Ressuscitado


Jornal de Olivença


Olivença é Portuguesa


A Bandeira Vermelha


Bandiera Rossa


Leitura semanal-Liberdade Cristã

Arquivos

Maio 2008

Fevereiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Janeiro 2007

Setembro 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Arquivos Recentes

Tempos modernos...

Os incorrigiveis...

Natal com humor

Coisas do século XXI

no alentejo...

Tentar surpreender é sair...

Surpresa (será?)

Novos tempos...

Cuidado com o que lê...

A melhor recompensa

Arquivos

Maio 2008

Fevereiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Janeiro 2007

Setembro 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

a carregar

Estou no...






Estou no Blog.com.pt

E você, blogaqui?
blogs SAPO

subscrever feeds

tags

todas as tags