Sexta-feira, 15 de Abril de 2005

- Atalhos

 

 


Atalhos


</p>

Quanto tempo a
gente perde na vida?

Se somarmos todos os minutos jogados fora, perdemos anos inteiros.

Depois de nascer, a gente demora pra falar, demora pra caminhar, aí mais tarde
demora pra entender certas coisas, demora pra dar o braço a torcer. Viramos
adolescentes teimosos e dramáticos.

Levamos um século para aceitar o fim de uma relação, e outro século para abrir a
guarda para um novo amor, e já adultos demoramos para dizer a alguém o que
sentimos, demoramos para perdoar um amigo, demoramos para tomar uma decisão. Até
que um dia a gente faz aniversário. 37 anos. Ou 41. Talvez 48. Uma idade
qualquer que esteja no meio do trajeto. E a gente descobre que o tempo não pode
continuar sendo desperdiçado.



Fazendo uma analogia com o futebol, é como se a gente estivesse com o jogo
empatado no segundo tempo e ainda se desse ao luxo de atrasar a bola pró
guarda-redes ou fazer tabelas desnecessárias. Que esbanjamento! Não falta muito
pro jogo acabar. É preciso encontrar logo o caminho do golo. Sem muita frescura,
sem muito desgaste, sem muito discurso. Tudo o que a gente quer, depois de uma
certa idade, é ir direto ao assunto.

Excetuando-se no sexo, onde a rapidez não é louvada, pra todo o resto é melhor
atalhar. E isso a gente só alcança com alguma vivência e maturidade. Pessoas
experientes já não cozinham em fogo brando, não esperam sentados, não ficam
dando voltas e voltas, não necessitam percorrer todos os estágios. Queimam
etapas. Não desperdiçam mais nada.

Uma pessoa é sempre bruta com você? Não é obrigatório conviver com ela.

O cara está enrolando muito? Beije-o primeiro.

A resposta do emprego ainda não veio? Procure outro enquanto espera.

Paciência só para o que importa de verdade. Paciência para ver a tarde cair.
Paciência para sorver um cálice de vinho. Paciência para a música e para os
livros. Paciência para escutar um amigo. Paciência para aquilo que vale
nossa dedicação.




Pra enrolação, Atalho.




Martha Medeiros

 
 

Viver Livremente editou às 14:43
link do post | favorito
De Anónimo a 22 de Abril de 2005 às 17:32
Meu grande amigo eu vivo na suecia e as tuas palvres dechao-me arepiados e da-me muita forsa.
A verda e que devia aver mas jente assi como o sinhor pensar positivo e muito amor.

Os meus grande comprimentosmontero
(http://asunto)
(mailto:makelele629@hotmial.com)


Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



Maio 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
28
29
30
31


Pesquisar no blog

 

Arquivos

Maio 2008

Fevereiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Janeiro 2007

Setembro 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Arquivos Recentes

Tempos modernos...

Os incorrigiveis...

Natal com humor

Coisas do século XXI

no alentejo...

Tentar surpreender é sair...

Surpresa (será?)

Novos tempos...

Cuidado com o que lê...

A melhor recompensa

Arquivos

Maio 2008

Fevereiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Janeiro 2007

Setembro 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

blogs SAPO

subscrever feeds

tags

todas as tags